Clique-para-ampliar
Movimento incentiva voto consciente
Clique-para-ampliar
Aumentar a representatividade da Região Sul de Santa Catarina no âmbito estadual e federal em todas as esferas de poder, através de ações ordenadas, inteligentes e contínuas, para estimular o desenvolvimento sócio econômico sustentável. Essa é a missão do movimento “Do Sul pelo Sul” lançado na última reunião plenária da regional Sul da Facisc.

Criada em 2010 inicialmente como Vote Pela Amurel, a campanha contou com o apoio das associações empresariais da região da Associação de Municípios da Região dos Lagos (Amurel). Em 2014, a campanha tomou maior corpo quando adotou o nome de Vote Pelo Sul e ampliou a sua atuação até o extremo sul catarinense.

Agora, em 2018, avança ainda mais tornando-se um movimento contínuo, dessa vez denominado Sul pelo Sul, capitaneado por 20 associações empresariais. De acordo com o Vice-Presidente Regional Sul da Facisc, Samuel de Lima, o movimento tem por objetivos além de aumentar a representatividade da região Sul, reduzir os votos brancos e nulos, diminuir os votos nos chamados “paraquedistas” e estimular o voto em candidatos ficha limpa.
 
Prioridades
O presidente da Acivale Roberto Michels, conta que os presidentes das associações empresariais elencaram cinco prioridades da região: construção da Ferrovia Litorânea, ampliação da pista e construção do terminal de cargas do Aeroporto Regional Sul, pavimentação da Serra do Corvo Branco, adequação e recuperação da SC-370 trecho Tubarão – Rio Fortuna – São Ludgero e ampliação do efetivo e investimentos em equipamentos para polícias Civil e Militar.

A Acivale se uniu a outras entidades empresariais da região e deve realizar reuniões com os candidatos e apresentar os principais pleitos. “Nós da Amurel estamos sem representação no legislativo estadual e federal. Temos condições de ter pelo menos três representantes na Assembleia Legislativa e um deputado federal. Se hoje a região Norte, por exemplo, é mais desenvolvida é por causa da sua forte representação política. Temos que mudar a realidade do nosso Sul e contamos com os eleitores para isso”, ressalta.