Clique-para-ampliar
Aprovação de projeto é solicitada ao Deinfra
Clique-para-ampliar
Uma reivindicação antiga volta a ser pauta de debate nesta segunda-feira, 17 de setembro. Uma comitiva de Braço do Norte se reuniu com representantes do Deinfra, em Florianópolis, para solicitar a aprovação do projeto de execução do anel viário.
De acordo com a empresa Ktop Consultoria e Engenharia que realizou o projeto, a obra está orçada em R$ 20,4 milhões. O anel viário possuirá 8,27 quilômetros de extensão e ligará o município a Grão-Pará e Rio Fortuna, além da SC-370 com a construção de três pontes, localizadas nas comunidades de Rio Bonito, Represa e Rio Pequeno. Só o projeto teve um custo total de R$ 307 mil.
Para o prefeito de Braço do Norte, Beto Kuerten Marcelino, o anel viário é uma importante rota para o escoamento da produção e desvio do trânsito pesado no centro do município, além de abrir precedentes para a criação de uma área industrial na cidade. “Fizemos uma solicitação especial ao Deinfra para aprovar o projeto entregue em 2016. Pedimos celeridade na liberação do projeto que já foi pago para iniciarmos a busca de recursos para execução dessa importante obra”, afirma.
O presidente da Acivale, Roberto Michels, também participou da reunião reforçando a aprovação do projeto que é pauta de reivindicação da classe empresarial desde 1993, ano em que a associação empresarial foi fundada. “Há 25 anos, quando a Acivale foi fundada, em sua primeira reunião já se falava na implantação do anel viário. Vamos continuar pleiteando essa obra até que saia do papel e se torne realidade”, enfatiza.
Participaram da reunião o prefeito de Braço do Norte, Beto Kuerten Marcelino, o presidente da Acivale, Roberto Michels, o secretário de planejamento Vânio de Oliveira, o representante da CDL, João Della Giustina, e o vereador Ricardo Medeiros, responsável por agendar a reunião no Deinfra.
 
Novas readequações
O projeto entregue em 2016, passou por análise do Deinfra que solicitou 84 alterações. A empresa responsável pela elaboração fez as adequações e encaminhou novamente ao departamento. Durante a reunião dessa segunda-feira, foi decidido que a empresa responsável pelo projeto terá mais readequações para fazer e novamente entregar para análise do órgão estadual. “Infelizmente o projeto nos foi apresentado em março de 2016 como aprovado, e essa não é a realidade. Vamos continuar insistindo até aprovar”, explica o prefeito.