Clique-para-ampliar
Acivale realiza levantamento após anúncio de retomada industrial
Clique-para-ampliar
O Governo do Estado liberou nesta segunda-feira, 27 de abril, a operação das unidades industriais de Santa Catarina sem restrições de capacidade. Para que isso ocorra, as empresas precisarão seguir uma série de normas sanitárias para evitar o contágio pelo novo coronavírus. Nesta terça-feira, 28, no primeiro dia da retomada industrial, Associação Empresarial do Vale do Braço do Norte (Acivale) realizou uma pesquisa para saber os impactos da pandemia no setor empresarial.
Sobre o retorno as atividades normais das indústrias o presidente da Acivale, Evaldo Niehues Júnior diz que a portaria é recebida com grande entusiasmo pelo setor e que a notícia, por si, é muito boa, porém, deve-se avaliar o que significa este “novo normal” estabelecido. “Aquele mercado que existia antes do início da pandemia acabou. Temos que entender que o que estamos prestes a iniciar é o chamado ‘novo normal’. Temos que buscar nos adaptar o mais breve possível a este cenário. O antigo não existe mais e não retornará daquela forma”, explica. 
Para o presidente, o que está havendo no momento é uma adaptação. “Algumas indústrias que foram obrigadas a atuar com 50% de sua capacidade, passaram dificuldades para se adaptar. Fábricas tiveram que fazer hora-extra para atender os pedidos em carteira, já que a mão de obra foi limitada. Agora, que as indústrias foram liberadas a operar com sua capacidade normal, muitas delas não dispõe de pedidos suficiente para justificar a retomada de plena capacidade, mas com o tempo as coisas tendem a melhorar”, comenta Evaldo.
A pesquisa realizada pela Acivale mostrou que apenas 8,7% dos entrevistados não tiveram nenhuma perda econômica ou financeira em razão do Covid-19 em suas empresas. Já 34,85% garantem que tiveram mais de 50% de perda. O que gerou demissões em diversos setores. A pesquisa, porém, quis saber se estes cortes de mão de obra continuariam. “Felizmente apenas 1/3 das empresas pesquisadas pensam em realizar novos desligamentos nos próximos três meses, o que mostra que a maioria está confiante na retomada”. Sobre as demissões, a Acivale solicitou ao Sine (Sistema Nacional de Empregos) um levantamento e foi informada que cerca de 600 solicitações de Seguro Desemprego Presenciais foram realizadas em Braço do Norte de 1 de março até 28 de abril. A avaliação não leva em consideração os pedidos feitos on-line (pela internet).
A pesquisa ouviu 69 empresas de Braço do Norte (65,5%), São Ludgero (15,9%), Grão-Pará (4,2%) e outras (14,4%), sendo 32% indústria, 32% comércio e 32% prestadores de serviços. Os demais são autônomos, e dos setores de transporte, bar e restaurante.
 
Retorno com cautela
A revogação da portaria publicada no fim de março, que determinava um limite de produção de 50% da capacidade instalada por turno de trabalho, foi possível graças à efetividade das medidas de combate à Covid-19. Com o achatamento da curva de contágios no Estado, aos poucos estão se tornando possíveis liberações com regras. “Devo lembrar que em Braço do Norte a situação é diferente. Chegamos a 120 casos confirmados desta terça-feira e os números de infectados não param de crescer. O momento ainda é de atenção”, alerta o presidente. 
Por isso, foi estabelecida que a retomada integral da produção industrial com regras sanitárias rígidas. Para funcionar sem limites operacionais, as indústrias catarinenses precisarão seguir estas diretrizes, que serão fiscalizadas pela vigilância sanitária e pelos agentes da segurança pública:
 - Uso de máscara por todas as pessoas durante todo o horário de funcionamento do estabelecimento, inclusive prestadores de serviço, entregadores e outros;
- Manter afastamento mínimo de 1,5 m de raio entre as pessoas;
- Disponibilização de álcool 70% ou preparações antissépticas ou sanitizantes de efeito similar em pontos estratégicos para higienização das mãos;
- Quando utilizar ponto digital, higienizar após cada uso com álcool 70% ou preparações antissépticas ou sanitizantes de efeito similar, respeitando as características do equipamento quanto à escolha do produto;
- Programar a utilização dos vestiários a fim de evitar aglomeração, mantendo o distanciamento de 1,5 m de raio entre as pessoas;
- Intensificar a lavação dos uniformes;
- Recomendar que os trabalhadores não retornem às suas casas diariamente com as roupas de trabalho quando estes utilizarem uniforme;
- Intensificar a higienização de utensílios e equipamentos com álcool 70%, preparações antissépticas ou sanitizantes de efeito similar nos utensílios, equipamentos, maçanetas, mesas, corrimãos, interruptores, lavatórios, sanitários, elevadores, armários nos vestiários entre outros, respeitando a característica do material quanto à escolha do produto;
- Os equipamentos de uso coletivo devem ser higienizados com álcool 70%, preparações antissépticas ou sanitizantes de efeito similar respeitando a característica do material quanto à escolha do produto;
- Fica proibida a utilização de bebedouros;
- Desestimular o uso do elevador;
- Limitar o uso de refeitório, condicionado ao afastamento mínimo de 1,5 m de raio entre as pessoas;
- Priorização de trabalho remoto para os setores administrativos, quando possível;
- Quando possível, intensificar a utilização de ventilação natural.
- Quando o estabelecimento possuir exclusivamente ventilação por ar condicionado, os filtros devem ser higienizados diariamente;
- Adotar medidas internas relacionadas à saúde do trabalhador, necessárias para evitar a transmissão do Coronavírus no ambiente de trabalho, priorizando o afastamento, sem prejuízo de salários, dos trabalhadores pertencentes a grupos de risco, tais como pessoas com idade acima de 60 (sessenta) anos, hipertensos, diabéticos, gestantes e imunodeprimidos ou portadores de doenças crônicas que também justifiquem o afastamento;
- Em caso de algum trabalhador apresentar sintomas de contaminação pelo Covid-19, buscar orientação médica, bem como afastar do trabalho por um período mínimo de 14 (quatorze) dias ou, conforme determinação médica, e informar às autoridades sanitárias imediatamente desta condição;
- Utilização de veículos de fretamento para transporte de trabalhadores, ficando a ocupação de cada veículo limitada a 50% da capacidade de passageiros sentados.