Clique-para-ampliar
Às vésperas das eleições, veja o que pode ou não pode no domingo
Clique-para-ampliar
A campanha eleitoral termina às 22h deste sábado (14). No domingo (15), é proibido o uso de alto-falantes, comícios e carreatas.
 
Também é vedado o transporte de eleitores até as seções eleitorais.
 
A lei impede ainda a distribuição de material de campanha no dia da eleição, como santinhos, adesivos, broches, adesivos, bonés ou camisetas.
 
Mas é possível votar vestindo uma blusa com o nome ou o número do seu candidato, ou um adesivo. A manifestação silenciosa e individual é permitida.
 
O que não pode é fazer boca de urna — tentar convencer um eleitor a votar ou não em uma pessoa. Essa prática é crime, com previsão de multa e prisão de 6 meses a 1 ano.
 
A Justiça Eleitoral tem dois canais para denúncias: o aplicativo Pardal, que é gratuito, e um perfil no WhatsApp. O sigilo é garantido.
A votação começa às 7h e vai até as 17h. Das 7h às 10h, a preferência é para idosos.
 
Para votar, é preciso levar um documento oficial de identificação com foto. Certidão de nascimento ou casamento não são aceitos.
 
Nessas eleições, o uso de máscara para votar é obrigatório. O eleitor pode comparecer à zona eleitoral de chinelo e bermuda, mas não sem camisa, de sunga, biquíni ou maiô.
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) pede que as pessoas levem a sua própria caneta — azul ou preta — para assinar o caderno de votação e uma “cola” com o número dos seus candidatos.
 
Na cabine de votação só entra o eleitor — sozinho. E não pode usar o celular.
 
O primeiro voto é para vereador, com cinco dígitos. Em seguida, o de prefeito, com dois números.
 
Quem não estiver na cidade onde vota no domingo, é possível justificar a ausência pelo aplicativo e-Título.