Clique-para-ampliar
Facisc divulga análise de 2020 e prevê um 2021 com efeito ressaca
Clique-para-ampliar
Em uma live realizada nesta terça-feira, 15/12, a Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) fez uma análise sobre a economia em 2020 e as perspectivas para 2021. Apresentado pelos presidentes da entidade, Jonny Zulauf, que entrega a presidência agora no final do ano, e Sérgio Rodrigues Alves, que assume em janeiro, o evento trouxe uma série de informações sobre como se portou a economia neste ano desafiador.

O ano de 2020, antes de pandemia tinha uma expectativa de um ano próspero. “Com a chegada do coronavírus tivemos uma quebra de paradigma: antes falávamos em como lucrar ou crescer mais, e com a pandemia, o pensamento é como sobreviver”, explicou Leonardo Alonso Rodrigues, economista da Federação. O 2º vice-presidente da Facisc, Carlos Fornaza, também participou da discussão.
 
O economista criou uma explicação voltada para quatro efeitos e que detalha de forma clara o cenário atual. A realidade vivida neste momento é a do efeito anestesia tanto na área da economia, quanto na área da saúde, onde existe uma expectativa por soluções reais e ambiente de tensões. “Enquanto na saúde vemos números de mortes e casos aumentarem, esperamos pela vacina e remédios eficazes, na economia, tínhamos previsões catastróficas, alta no desemprego e índices alarmantes, e vemos que as tendências não se confirmaram”. Além disso, as medidas econômicas tomadas ajudaram a atenuar essas previsões. Com isso o desemprego não caiu aos patamares previstos. O varejo também teve uma queda muito grande, mas também teve uma recuperação muito acentuada. “Isso se deve ao modelo de recuperação via estímulos artificiais. Como exemplo, a MP 936 que só em SC teve cerca de 800mil acordos que ajudaram a atenuar os efeitos negativos”.
 
O segundo efeito detalhado pelo economista Leonardo é o Efeito Estoque, onde boa parte da indústria e comércio aumentaram seus estoques a níveis recorde. “No início as produções foram paradas e houve um aumento. Logo depois estes estoques começaram a ser liberados e hoje vemos inclusive escassez e alta de preços em alguns segmentos”. Dentro deste efeito, o economista também destacou as decisões just in time, ou seja, vivendo um dia de cada vez.
Já o terceiro efeito citado foi o de Incertezas, onde todas as expectativas foram afetadas. “Perguntas como: para onde vai a economia? Até quando dura a pandemia? E como será a recuperação? Em V ou em W? ainda não têm respostas. Tudo que se falar é especulação, porque assim como o vírus, ainda não temos muitas respostas. Temos que pensar agora como será a economia em 2021 sem os efeitos da MP 936, por exemplo, que resguardou quase 10 milhões de empregos”. Ele explicou que, para voltar ao nível de 2014, precisamos retomar de fato a economia.

 
Retrospectiva 2020
 
Fevereiro e março – chega o coronavírus no Brasil.
Abril a junho – primeiros choques econômicos e início das medidas econômicas.
Junho a novembro – recuperação econômica mais acelerada.
Novembro e Dezembro – Debate sobre continuidade das medidas econômicas e avanço das soluções via vacinas.


 
Efeito Ressaca
 
Para o ano que vem, o efeito previsto pela área de Economia e Estatística é o Efeito Ressaca. “Para 2021, a grande pergunta, será haverá o efeito ressaca. Teremos a continuidade das medidas?” Entre os fatos está que o Brasil é o país emergente que mais gastou com medidas econômicas na pandemia e que tem uma das maiores dívidas públicas. “Após acabar a pandemia temos que pensar como acordará o mundo após os efeitos anestésicos”, reflete o economista.
Entre os desafios estão endividamento elevado tanto do setor público quanto das empresas. “Muitas empresas tomaram crédito e agora os parcelamentos começam a vencer após a carência”. Além disso, a recuperação indefinida, a instabilidade política e a definição da vacina”.
 
E como toda a crise, esta também vai deixar oportunidades. Dentro da raiz do problema da crise do coronavírus, viu-se crescer a crise de saúde, que abriu portas para fornecedores e empresas da área. Os novos padrões sanitários também fizeram surgir novos negócios e serviços. Oportunidades derivadas do novo momento, onde e o que o consumidor está/estava fazendo durante todo este período. Dentro dos segmentos tradicionais, como o agronegócio, o setor de alimentos e construção civil (imobiliário e infraestrutura) cresceram no período da pandemia.
 
O 2º vice-presidente, Carlos Fornazza, que assume a pasta de Assuntos Econômicos na próxima gestão, falou que a retomada foi surpreendente. “Mas sabemos que não se sustenta, principalmente neste ritmo que estamos. Houve um investimento nas casas, e sabemos que temos uma demanda represada na área de turismo”. Para ele teve um deslocamento dos investimentos em 2020.
 
Rodrigues também falou de tendências para 2021, e explicou que a pandemia não criou tendências, ela acelerou tendências que já existiam. Entre elas novos modelos de negócios como a economia compartilhada, e-commerce, economia criativa e coworking, oferta de serviços e produtos dentro de redes formatadas dentro do segmento.
 
Por outro lado da demanda, boa parte das vendas já estão dentro do novo modelo de negócios. A economia comportamental (comportamento humano, mente, decisões ), economia da transformação digital (tecnologia, inovação, internet das coisas, big data, Inteligência Artificial, , economia sustentável e economia da saúde e bem estar. “O mercado tradicional continua, está em curso, mas precisamos ser protagonistas, buscar novos horizontes dentro dos novos fenômenos acelerados pela pandemia”, esclareceu. O presidente Jonny Zulauf, alertou sobre o câmbio. “Este ano tivemos uma disparada do dólar e precisamos estar atentos ao que vem em 2021”.
 


Certezas
 
Dentro do cenário atual e com as perspectivas para 2021, Leonardo explicou que se tem três certezas: “estamos no começo do fim e vivendo um cenário desafiador, não será fácil e isso tudo vai passar. Assim como em todas as crises da história teremos um fim”.
Sérgio Rodrigues Alves, que assume a Facisc em janeiro de 2021, acrescentou que como que em todas as crises é preciso tirar aprendizados. Para ele desta serão o prazo, a solução e a lição. “Sabemos que a solução está na vacina e o prazo está intimamente ligado a ela. A lição que levamos é em relação à solidariedade e em segundo que temos que estar sempre focados e preparados para os imprevistos. Nossa economia tem muito a crescer e o Brasil é um país de grande oportunidades”, encerrou.